terça-feira, 16 de outubro de 2012

ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL EDUARDO SPÍNOLA VISITAM INSTITUTO FEDERAL


Professora Marise e alunos.

Na manhã de sexta-feira, 28 de setembro/12, alunos das 8ªs séries matutino e vespertino da Escola Estadual Eduardo Spínola visitaram o Instituto Federal da Bahia – IFBA localizado na BR – 415 que liga as cidades de Itabuna e Ilhéus. Sob a supervisão dos professores Flávio Motta e Marise Guedes e dos gestores prof José Carlos e Ivone Santos, a visita objetivou incentivar os estudantes da escola a se inscreverem no processo seletivo que dá acesso aos cursos Técnico em Informática e Técnico em Segurança do Trabalho, ambos oferecidos gratuitamente pelo Instituto Federal. Ao chegar ao campus, em Ilhéus, o grupo da Escola Eduardo Spínola foi recebido pelo diretor de Ensino, prof Marcos Antônio, que os acompanhou durante toda a visita, apresentando aspectos pedagógicos e estruturais (salas de aula, refeitório, auditório, laboratoorios, biblioteca) do IFBA. A visita ao campus é parte do projeto intitulado “É nóis no IFBA 2013”, uma iniciativa da profª de Língua Portuguesa Marise Guedes – aluna do Instituto - que tem como principal intuito estimular o ingresso dos alunos em cursos técnicos federais de alta qualidade.
Diretor José Carlos, profs Ivone e Flávio e alunos.

Alunos do Eduardo Spínola no lab de Informática do IFBA

Auditório do IFBA

Biblioteca do IFBA
 

ESCOLA ESTADUAL EDUARDO SPÍNOLA PROMOVE "FEIRA DE CIÊNCIAS"


              Coordenados pelo professor Flávio Motta, alunos da 5ª a 8ª série da Escola Estadual Eduardo Spínola (Ibicaraí) realizaram, no dia 14 de setembro de 2012, a Feira de Ciências. O evento utilizou os espaços interno e externo da escola, buscando aproximá-la cada vez mais da comunidade. As temáticas apresentadas pelos alunos foram variadas, incluindo alimentação saudável, métodos contraceptivos, preservação de recursos naturais, entre outros. Estima-se que mais de 250 pessoas, entre alunos de outras instituições, professores, pais e curiosos visitaram a exposição e apreciaram o trabalho, avaliando positivamente a iniciativa que, sem dúvida, contribuiu para a construção do saber de todos os envolvidos.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

OLIMPÍADAS DE LÍNGUA PORTUGUESA 2012

Sob orientação das professoras Marise Guedes e Ivoneide Rosane, alunos da 5ª à 8ª série da Escola Estadual Eduardo Spínola desenvolveram atividades ligadas a vários gêneros literários, com a finalidade de ampliar seus conhecimentos e sua vivência literária. Atrelado a isto, a participação nas Olimpíadas de Língua Portuguesa configurou-se como uma motivação a mais para estes alunos no tocante à escrita de textos literários. Neste sentido, foram selecionados alguns textos de alunos, com destaque para o texto "Memórias da Palestina", escrito pelo aluno Patrick de Oliveira (Foto), que cursa a 7ª série. Confira abaixo, na íntegra:

MEMÓRIAS DA PALESTINA

Nasci na fazenda Viva Deus, no Ribeirão do Batista, que faz parte de Ibicaraí, em 16 de junho de 1939. Em uma família de 14 crianças, eu, Lindinalva Adelina de Oliveira, era a 9ª a nascer viva.

Como minhas irmãs mais velhas já haviam casado, eu tinha que cuidar dos meus irmãos e da casa: lavar e passar roupa, dar banho aos mais novos, fazer comida para todos, irrigar as plantas. Ia com o meu pai, Paulo Policarpo, para plantar na nossa fazenda, colher, fazer farinha, beiju, licor, bolo, vender leite; e tudo isso depois da escola. Mas só ia a escola quando meu pai pagava a professora para morar na fazenda!

De todos os irmãos, a que eu menos me dava bem era Alice, pois ela mentia e dedurava os outros irmãos. Por ser mais velha, meus pais acreditavam nela e ela usava suas artimanhas para nos enganar. Naquela época, aceitar cana descascada de um homem era tão feio quanto mostrar os órgãos sexuais. Minha irmã Alice disse: “- Come, come Nalvinha”. Comi! Ao chegar em casa, ela me dedurou e, minha mãe, Francisca Adelina, me deu uma das maiores surras de minha vida.

Quando vinha para a Palestina (Ibicaraí), me admirava com os poucos carros e carroças passando por ruas estreitas entre pés enormes de cacau, em ruas de chão batido.

Propriedades enormes, com vários hectares de pés de cacau muito frutíferos pertenciam a vários barões de cacau; dentre eles, o meu pai.

Ah! Como gostava de vir para a Palestina, para as festas juninas. Ah, como gostava de fogueiras, balões, bandeirolas, amendoim, milho, pipoca, aipim. Gostava do dia de Reis de Cosme e Damião, de receber balas e doces.

Eu e meus irmãos gostávamos de adentrar entre as árvores e os nossos pais deixavam chuparmos cacau, mas tínhamos que deixar a semente num determinado lugar, para o nosso pai vender para fazer chocolate.

Ah! Como era bom ser criança: tínhamos obrigações, mas era tão bom brincar.

Ah! Como eu desejava me casar. Como seria? Com quem seria? Onde seria? Como seria depois do casório?

O grande casório aconteceu em 25 de dezembro de 1966, com o meu primo de segundo grau José Feliciano, na Igreja Senhor Deus Menino, em uma noite de verão, às 6 e 20. Foi uma festa maravilhosa que durou uns dois dias. Meu pai matou gados e alguns porcos e foi a melhor festa que já vi. De repente, uma dor no peito, uma agonia profunda. Lembrei-me de minha mãe, falecida em 1956, dez anos antes do meu casamento.

Em 1967, ocorreu a maior enchente de Ibicaraí. Muitos morreram naquele dia, muitos perderam tudo; arrasaram-se os pés de cacau, foi um desastre. Porém, um milagre ocorreu: estava dando à luz nas águas, em cima de uma canoa em cerca muito alta à primogênita: Luciene.

Em 1970 Luciane nasceu, mas com duas semanas veio a falecer.

Em 1971, em Ibicaraí, na praça da Igreja, nasceu Joelma. O meu filho Jocelmo nasceu no ano seguinte. Perdi o meu segundo filho em uma brincadeira de Jocelmo e Joelma. Em 1974, meu dengo nasceu: Luzinete, o meu orgulho e paixão da minha vida. Em 1980, o meu terceiro filho morreu e daí em diante não tive mais filhos.

Morei na Rua Paraguaçu. Anos depois, fui morar na Rua Carlos Gomes, mais conhecida como Rua de Areia, onde as pessoas são muito fofoqueiras e encrenqueiras. Miriam, uma vizinha, teve várias inimizades no decorrer do tempo. Ela se juntou com uma sobrinha minha que não gostava de mim, pois queria ficar com os terrenos, gado e cavalos que meu pai deixou para os filhos. Nem o seu pai, meu irmão, confiava nela. Era falsa, dissimulada e, às vezes, um pouco louca. Uma vez, ela disse que eu tinha roubado alguma coisa e pagou aos vizinhos uma quantia para deporem contra mim no fórum de Ibicaraí. Depois que o pai dela morreu, começou a cuidar de outro irmão meu, Izautino, que é louco, mas só por interesse.

Mais ou menos em 1990, a vassoura-de-bruxa atacou os pés de cacau. A praga acabou com os pés de cacau que meu pai deixou para os filhos. Pessoas se mataram por toda a cidade de Ibicaraí. Muitos barões podres de ricos ficaram com quase nada; pessoas enlouqueceram, muitas foram embora daqui da cidade.

Agora meus pais morreram, muitos irmãos também. Meu marido veio a óbito. Filhos e netos também. Mas não me mudo daqui: Palestina, Ibicaraí - minha terra santa!

Patrick de Oliveira Souza – aluno da 7ª série da Escola Estadual Eduardo Spínola – Ibicaraí/BA. Professora Marise Rodrigues Guedes, Língua Portuguesa.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Entrevistas sobre vocação e realização profissional

Durante o mês de agosto, aconteceu com a oitava série matutina junto à professora Ivoneide, da disciplina Língua Portuguesa, uma sequência de entrevistas com profissionais de diferentes áreas envolvendo o tema "vocação profissional". Os convidados foram: o policial Ednilson dos Santos, a médica Tatiana Aguiar, o veterinário Delson Macedo, a dentista Taís e o estudante de Direito, Klaus Barreto Farias. Pessoas competentes, prestativas e simpáticas, que foram muito úteis para informações e dinamização das aulas. Os entrevistados foram unânimes em ressaltar a necessidade e a importância do estudo na busca da realização profissional.










terça-feira, 16 de junho de 2009

Internet na Educação


A internet é uma ferramenta poderosa que pode ser utilizada na educação de maneiras variadas. Além de facilitar a interação entre universos culturais diversos, pode promover a troca de experiências pedagógicas entre educadores de diferentes áreas, contribuindo para a promoção de um trabalho criativo (inter e multidisciplinar) na escola com a participação de professores e alunos na construção de saberes e novos instrumentos de aprendizagem.
Se a internet for bem explorada na escola pode contribuir de maneira significativa, não só para a construção de conhecimentos e promoção de novas ferramentas de aprendizagem, como também, para a democratização desses saberes, através da aproximação da comunidade educativa de maneira dinâmica e interativa.
Pensando nisso, a construção do "Blog da Escola" foi realizada com o objetivo de transformar as nossas práticas escolares em ações mais dinâmicas e criativas. Nesse sentido, gostaríamos de iniciar o nosso trabalho com a paticipação da comunidade escolar envolvida nesse projeto, com uma reflexão sobre tema de abertura do nosso Blog: "Como utilizar a internet na educação? "
Assim, educadores e alunos podem colaborar na elaboração de textos e sites, como também dar sugestões de como utilizar a rede no desenvolvimento dos trabalhos pedagógicos na rotina escolar.
Autores: Daisy, Harmensz e colaboração alunos do curso Proinfo 2009, Ibicaraí
Foto: Thanya Dias Professores na foto: Harmensz Assis, Célia da Paz, Anavete Céo e Ivoneide Oliveira.

Como utilizar a internet na educação

Tecnologia na Educação veja o vídeo no link abaixo
http://www.youtube.com/watch?v=0Z2VnWfe33M


video

domingo, 13 de julho de 2008

Baile de Debutantes


O Baile de Debutantes surgiu em 2003 como culminância do Projeto Interdisciplinar "Adolescência e Juventude no Atual Contexto Social"que tinha como objetivo realizar atividades que possibilitassem a reflexão crítica sobre adolescência e juventude e as mudanças que ocorrem nesse período. Refletindo sobre os resultados positivos do evento resolveu-se dar continuidade à esta ação transformando-a em um projeto específico.Em 2004 realizou-se o II Baile; em 2006 o III; em 2007 o IV Baile fora realizado com um brilho jamais visto pois conseguimos sensibilizar a comunidade que nos deu apoio irrestrito, fazendo com que o evento tivesse uma repercussão incalculável em nossa comunidade. Foi a Festa dos Sonhos.